sexta-feira, 15 de abril de 2011

Armários se abrem!


Se você não reconheceu de imediato esta foto, sim, você é bem jovem. Caras & Caretas foi um dos seriados de maior sucesso na TV americana e aqui no Brasil, onde foi transmitido pela Globo nos finais de tarde na Sessão Comédia. Eu amava, como a maioria. Roteiro inteligente, bons atores. Michael Fox era um garoto no topo do sucesso graças também ao seriado.
.
Daí que assistindo Oprah, revejo a mãe do seriado, a atriz Meredith Baxter (a loura de vermelho na foto, é lógico). Ela está lançado sua biografia, aquela velha história de Hollywood. Só que meu queixo caiu quando comecei a ouvir a história.
.
Já uma atriz em ascensão, casou-se com o ator (galã canastrão) David Birney. Desta época surgem relatos de constante violência e abuso psicológico contra ela e os filhos. Foram anos de tortura e sofrimento.
.
Justo ela, a mãe mais querida a América. Em casa era tratada como lixo. A partir de certo ponto, começou a beber. Precisou ir ao A.A. e tal. Ok, nada disso me impressionou, embora eu lamentasse. Nada tão bombástico, até que...um armário se abre e alguém sai!


Sim! Quem mais? A Diana?!
 Meredith Baxter se descobriu e se assumiu gay! Não é incrível? Três casamentos e cinco filhos depois, após passar por tantas coisas, a vida ainda pode surpreender. Estavam na Oprah seus filhos, apoiando a mãe, que agora parece feliz e serena. Ela está há 5 anos com a companheira Nancy Locke, que também foi ao programa.

3 comentários:

Eliani disse...

Ju, depois de tanto sofrimento, ela descobriu que uma pessoa do mesmo sexo pode compreeder e amar melhor que qualquer homem e resolveu pagar para ver. Não acredito que ela tenha passado por tudo porque não queria sair do armário.... ela só não sabia que amar é mais amplo.

Let´s disse...

Ju,assisti ao programa também. Achei uma "sessão de terapia familiar" em rede nacional,o que me chocou um pouco. Todas aquelas pessoas (a própria Meredith e os filhos) ainda com as dores não cicatrizadas. Eu me questiono se todas essas intimidades devem ser reveladas ao grande público para ser "terapêutico". No entanto, acho que o fato de confessar que sofria violência doméstica das piores e que pôde, enfim, "sair do armário" ("come out" é mais bonitinho) pode ajudar muita gente.
Um beijo grande
Um beijo

Ju disse...

Bem...Oprah é Oprah. Quem senta ali sabe que a exposição será até a medula óssea rsrsrs.
E na Oprah a abordagem é novelística, com drama, surpresa, chororô, reencontros...sim um circo. Ela se comunica com a massa. Transforma qq assunto numa liguagem de massa, pra ACESSAR o povão.
MEredith e equipe sabem disso. Toparam a exposição ( e até certa atuação se me permite a alfinetada na atriz)com dois objetivos claros pra mim: a) bombar a venda do livro; b) expor a atriz para ver se intam mais convites pra ela (já com idade mais avançada).
Acho que o livro merecia uma lida.
Sim, come out é uma expressão mais fofa, mas achei que meus leitores não sacariam de imediato e que como tag não funcionaria. Decisão burocratica de blog rsrsrsrs
Apesar dos pesares, Lê, eu sempre acreditei ser importante algumas pessoas famosas e queridas do público saberem certas coisas (da boca dos interessados e não como fofoca). Eu acho que isso, de modo incipiente, pode ajudar a diminuir o preconceito na sociedade, que pode dar uma dimensão humana às pessoas que vivem uma relação não convencional. Foi aí que Meredith encontrou o amor, o carinho e o respeito que nunca havia experimentado antes. Mas cá pra nós, ela não "virou" gay porque sofreu. Tem mulher que pasta a vida inteira e isso não a faz buscar outra mulher para se relacionar. Não há nenhuma escolha neste tipo de sentimento. Talvez a escolha seja assumir pra si o que sente e se vai ou não viver aquilo. Creio que a sexualidade de Meredith era algo mantido numa certa sombra até pra si mesma. Talvez sua jornada de dor, crise e aprendizado tenha propiciado sua abertura para sentimentos que sempre estiveram por ali. Vc não acha?
AMo seu blog e adorei seu cometário
beijos.
.
Eliani, tb amei suas coloções. E sim, vc está certa: AMAR É MAIS AMPLO, ou como diria Caetano: "Toda maneira de amor vale amar"
bjs